Após derrubar ações da Nokia em 37%, Microsoft espera não arruinar também o Skype

Microsoft espera, com Skype, repetir sucesso do Zune.

Com o anúncio da compra do Skype por US$ 8,5 bilhões, a Microsoft continua seu plano para voltar a ter uma posição de destaque no mercado de tecnologia. Após tornar públicos seus planos de um smartphone Nokia com Ctrl + Alt + Del, a gigante criadora do Windows tem como meta não desvalorizar a empresa de comunicação em mais de 20%.

Durante o anúncio oficial da transação, Steve Ballmer, presidente da companhia, não conteve seu otimismo. De acordo com ele, tudo indica que o serviço do Skype não será piorado após a aquisição.

“A Nokia foi um teste, por isso fizemos só uma parceria. As ações caíram bastante, mas o importante foi entendermos que colocar Windows nos celulares foi a causa para a desvalorização. Com o Skype vai ser diferente, vocês verão”, disse o misterioso Ballmer.

O principal executivo da Microsoft também se disse motivado pelo desafio de, finalmente, ter um produto bem-sucedido em seu portfólio. A última grande aposta da gigante de tecnologia havia sido o lançamento do MP10 Player batizado de Zune.

“Ficamos para trás, mas temos dinheiro! Para que inovar em novas tecnologias se podemos comprá-las? Faremos mais aquisições e tentaremos não estragá-las! Daqui poucos anos seremos relevantes de novo!”, exclamou Ballmer.

Segundo analistas de mercado, o próximo alvo da Microsoft poderia ser o Firefox.