Torcida de Gaddafi protesta e pede “raça” ao ditador

Inconformados com a série de derrotas, os torcedores exigiram mais empenho do ditador.

Faltando poucas rodadas para que seja rebaixado do cargo de ditador, o líbio Muammar Gahdafi agora sofre também com a pressão da torcida.

Apesar de pouco numerosa, a raivosa torcida de Kadafhi se reuniu na manhã de hoje diante da sede do governo líbio em Trípoli.

O principal exigência da torcida é a saída imediata do general Vladmir Gadaffi, genro do ditador.

Para os torcedores, ao adotar a estratégia de usar veículos leves nas áreas de combate, o general teria entregado o jogo aos rebeldes de oposição da Líbia.

Kagaffi, que já teve quase metade de sua capacidade militar destruída pelas forças da Otan, credita os resultados à má fase de seu regime e já admite fugir da Líbia.

“Precisamos de apenas mais dois ou três resultados positivos para seguir na luta”, comentou o líder da torcida organizada. “Se não Gadaafhi não trouxer essa vitória, nos juntaremos à Otan e aos rebeldes para pedir a cabeça dele.

Do outro lado, a aliança militar formada por Reino Unido, França e Estados Unidos comemora o bom momento que vive seu exército.

“A fase está boa e mais uma vez conseguimos matar mais de 300 líbios pró-Gaddafi”, comemorou o sargento americano William Van Debouche. “É dar sequência e não acomodar, pois o Khatafi agora vai partir pro tudo ou nada”, disse.

Nenhum ato de violência foi registrado. Mesmo assim, a segurança pessoal de Cadafhi foi reforçada com cinco mil tanques e 200 mil soldados.