Estados Unidos apresentam proposta para combates sustentáveis no Oriente Médio

O uso de helicópteros Apache movidos a etanol está entre as medidas apresentadas

Na manhã desta quinta-feira, a delegação dos Estados Unidos finalmente chegou ao Brasil para participar da Rio+20, a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável.

Em comitiva composta por quase 10 membros, os EUA apresentaram o texto com diretrizes para que guerras sejam realizadas com maior consciência ambiental a partir de 2018.

As propostas do documento apresentado incluem o uso de porta-aviões movidos a diesel biocombustível, além de ataques com mísseis híbridos que utilizem propulsores elétricos.

“Nações em desenvolvimento como Síria e Afeganistão ainda precisam se esforçar bastante para fazer a transição para uma economia de guerra verde”, disse a secretária de Estado americana, Hillary Clinton, que está no Rio de Janeiro.

Hillary reiterou que os países do Oriente Médio podem contar com o apoio dos EUA na realização de batalhas amigáveis ao meio-ambiente.

“Estamos comprometidos com a transferência de tecnologia limpa para países mais pobres que estejam à beira de uma guerra civil”, contou a americana.

“No Sudão, por exemplo, a tortura de prisioneiros poderia ser feita por meio de geradores de energia de fontes renováveis como a eólica, que agridem muito menos nosso planeta”, defendeu.

O documento deve ser votado em plenária ainda hoje e poderá ser alterado.