Produção caseira de chuva vira moda em São Paulo

Neste verão, Eliseubete irá destelhar sua casinha com uma chuva que ela mesma produziu.

É chegada a temporada de chuvas e junto com ela, as grandes cidades ganham também muitos estragos e alagamentos em massa provocados pelas tempestades de verão.

No caminho contrário das grandes chuvas, chega ao país uma tendência da Europa com a abertura das primeiras micro-chuvarias para produção de precipitações caseiras.

As chuvas artesanais são feitas em máquinas chamadas pluviópteros, que reproduzem o ciclo da água e criam chuvas frescas para o consumo da família.

Utilizando apenas ingredientes naturais as chuvas artesanais também podem ter essências perfumadas adicionadas à receita.

Entre as essências mais comuns estão o aroma de chuva chegando e o cheirinho de asfalto molhado, ambas disponíveis ainda em pequena escala no Brasil.

A dona de casa Eliseubete Medeiros, moradora do bairro do Limão, começou a produzir sua própria chuva há seis meses. “No inverno ninguém estava pensando em chuva. Foi quando eu vi a matéria no programa da Ana Maria explicando como fazer chuva em casa. Com um pouco de investimento montei minha própria chuveria”, conta.

A expectativa de Eliseubete é que sua chuva esteja pronta para o uso no comecinho de 2011.

“Enquanto meus vizinhos estiverem tirando a água suja da enchente de suas casas, minha casa vai estar inundada com chuva orgânica com essência de vanilla”, comemora ela.

A Defesa Civil incentiva a produção de chuva caseira. “Além de ser mais barata, a chuva feita em casa é mais democrática”, conta o coronel Jorge Ignácio Kaffab. “Os bairros nobres em regiões elevadas de São Paulo agora podem ser atingidos também pelos transtornos da chuva, que antes eram exclusivos das áreas de risco”, justifica Kaffab.

Para os entusiastas da chuva caseira, a Defesa Civil oferece cursos de produção e consumo de fenômenos metereológicos. Os cursos de chuva vão até o final de março e as vagas são limitadas.