Obras do Metrô revelam ruínas de locadora clássica

Foram encontradas em São Paulo relíquias esquecidas em formas de discos reluzentes

Os operários que trabalham nas obras de expansão do metrô de São Paulo foram surpreendidos na manhã desta segunda-feira por um achado de alto valor histórico. Um sítio arqueológico repleto de relíquias antigas foi encontrado durante escavações nos túneis próximos à futura estação Vila Sônia do metrô.

Os primeiros indícios apontam tratar-se de uma civilização muito antiga, que viveu em uma era pré-internet e que possuía hábitos cotidianos bastante primitivos.

Com esse achado, arqueologistas do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) foram convocados às pressas para uma avaliação das peças.

A principal descoberta consiste em uma grande galeria apelidada pelos arqueologistas de “locadora”. “Neste estabelecimento, as pessoas costumavam trocar quantias de dinheiro pelo uso de filmes por um curto período de tempo”, declarou Ignácio Mourão, arqueologista chefe do Iphan. “Este ritual era chamado de “locação” e era muito comum naquele tempo”, contou Mourão.

Alguns manuscritos foram encontrados, indicando que as pessoas daquele tempo dirigiam por quilômetros para chegar à locadora, com intuito de alugar um filme daquela era. “As dificuldades naquele tempo eram enormes, pois filmes não eram comumente disponibilizados como hoje. É realmente impressionante que as pessoas vivessem desse modo”, comentou o arqueologista.

Quem primeiro se deparou com as ruínas foi Luís da Silva Fortunato, engenheiro chefe de escavação das obras. “Rapaz, eu percebi que era algo muito antigo quando encontrei um disco prateado, igual aqueles CDs que se usava no passado”, contou Fortunato. Na parte de trás das relíquias encontradas por Fortunato, foram reveladas inscrições que diziam “Sexto Sentido” e “Dança com Lobos”. Segundo arqueologistas, esses eram nomes de grandes obras espirituais daquela época.

Bem ao lado da locadora, foi encontrado ainda um pequeno santuário com as palavras “Music Store” grafadas na parede. De acordo com Mourão, nesse local os cidadãos trocavam dinheiro pelos discos prateados que reproduziam músicas usadas em rituais primitivos. “As pessoas tinham que comprar esse pequeno disco e colocar em um aparelho para ouvir apenas 10 ou 12 músicas”, explicou. “É de fato incrível que as pessoas tivessem que passar por tudo isso apenas para ouvir música”.

As obras do metrô foram paralisadas até que sejam feitas estudos completos do material que pode ser recuperado. Com a interrupção das obras, a conclusão das novas estações de metrô em São Paulo deverá ser em meados de 2028, e não mais em 2021 como era previsto.