Kléber Bambam defende a volta do BBB-arte

Desta vez, foi o ex-BBB e ex-dançarino de boate Kléber Bambam que decidiu abrir fogo contra o jogo apresentado na atual edição do Big Brother Brasil. Segundo ele, a fórmula atual do reality show pode contribuir ainda mais para o empobrecimento do programa de TV que já foi o mais popular do país.

Para Kléber Bambam, há cada vez menos espaço para o BBB-arte praticado pelos grandes ídolos do passado.

O primeiro grande craque de Big Brother do país escreveu duras críticas ao BBB 14 em sua coluna semanal na revista “Mais Novelas”. Bambam afirma que, se comprovado o favoritismo de Diego, sua vitória seria uma recompensa ao pragmatismo e uma derrota do BBB de alto nível.

“Esse outro favorito, o Marcelo, ele tá mais preocupado em recuperar a popularidade e segurar as estalecas no seu quarto”, afirma Bambam. “Na minha época, o público valorizava quem criava barracos e jogadas ofensivas. Isso dava brilho ao espetáculo”.

Para Bambam, o principal problema está nos participantes que ele classifica de mercenários. “Até o BBB 3, as pessoas jogavam por prazer, por amor à casa. Hoje eles só querem saber do dinheiro”, lamenta.

“Além disso, a molecada do BBB de hoje é muito marrenta. Se acham estrelas logo mesmo no primeiro paredão e até as minas horrorosas estão saindo na Playboy”, analisa o ex-BBB.

Boninho, diretor da atração, respondeu às críticas com firmeza. “Não me venham falar que devo investir nas categorias de base”, defendeu Boninho. “Ainda existe muito galã acéfalo e musa desequilibrada disponível no mercado. Eles vão garantir uma boa audiência até a Copa do Catar”, ironizou.

Ele também explica que o Big Brother mudou muito ao longo dos anos.

“Definitivamente, o BBB jogado hoje não é o mesmo dos tempos de Sabrina Sato e Thyrso”, disse Boninho. “Não há mais o paredão sem poesia, nem o ritmo ofensivo de mestre como o Dhomini, que deixava os amantes do programa curvados aos seus pés”, recorda.