Famosos são destaque em Parada do Orgulho Hétero

A 7ª edição da Parada do Orgulho Heterossexual ocorreu neste domingo em São Paulo e contou com a participação de várias celebridades do meio artístico e cultural.

A Parada Hétero de São Paulo é considerada uma das menores do mundo e teve este ano o tema “Cerveja na Barriga e Futebol do Coração”, pedindo aos governantes o fim da intolerância e do preconceito contra os heterossexuais.

Entre as celebridades que marcaram presença estavam expoentes da heterosexualidade nacional como o ator Reynaldo Gianecchini e os apresentadores de TV Zeca Camargo e Gugu Liberato. Além deles, milhares de pessoas foram às ruas para mostrar que são heterosexuais mesmo e que ninguém tem nada a ver com isso.

A Parada do Orgulho Heterossexual foi marcada pelo tom pacífico e pelo excesso de auto-afirmação.

O apresentador Gugu foi um dos primeiros a entoar o hino da manifestação, um clássico do Gaúcho da Fronteira. “Churrasco e bom chimarrão, fandango, trago e mulher, é disso que o velho gosta é isso que o velho quer”, cantavam em uníssono.

Organizadores do evento estimam que mais de 3 mil pessoas participaram da Parada Hétero que começou por volta das 13h na avenida Paulista e seguiu logo atrás dos participantes da Parada Gay que também ocorria no local.

A realização da Parada Hétero provocou reações diversas, especialmente entre quem mora perto da região da Avenida Paulista. A dançarina de boate Bebete Lust foi uma que se incomodou com a presença dos heterossexuais. “Eu mesma fico toda em casa quando esses bofes passam”, comentou. “Se alguém me vê nessa Parada e acha que eu sou dessa turma careta, o babado esquenta lá em casa, querida”, afirmou Bebete.

Assim como na Parada Gay, em que mais da metade das pessoas participantes não é gay, a Parada Hétero contou também com a presença de vários homossexuais. “É uma festa linda em que todos somos iguais”, afirmou a modelo e atriz Thammy Gretchen. “Eu sou muito mais hétero do que muito cara que você encontra por aqui”, disse ela.

A Polícia Militar, que fez a segurança do evento, não registrou incidentes graves. “Só houve confusão mesmo no espaço entre as duas paradas”, afirmou o major Carlos Souto Rego, do 12º batalhão. “Hoje em dia, muita gente fica na dúvida sobre qual parada entrar e esse vai-e-vem acaba provocando tumulto”.