Egito acerta a compra de guilhotinas francesas

Os aparatos franceses serão usados imediatamente após a Queda do Cairo.

Um carregamento de sete guilhotinas francesas desembarcou na mãnha de hoje na capital egípcia do Cairo.

O conjunto faz parte do primeiro lote encomendado pela Frente Revolucionária do Egito que comanda parte das manifestações que ocorrem no país árabe.

As guilhotinas do modelo Coulet da francesa Fassault foram eleitas as favoritas dos grupos opositores que pretendem instalar o novo governo no Egito.

A França venceu a concorrência com os Estados Unidos, que ofereceram cadeiras-elétricas do modelo F-236 a um preço muito superior.

Após comunicado do presidente Hosni Mubarak, que afirmou continuar no poder até o fim de seu mandato, as manifestações se intensificaram no centro do Cairo e a queda do atual regime é iminente.

Por esse motivo, as guilhotinas começaram a ser afiadas logo que chegaram.

“Estamos nos preparando para lidar com Mubarak da melhor maneira possível assim que conseguirmos tiramos ele de lá”, comentou um rebelde. “Faremos tudo com a elegância com que os franceses fazem. Isso deve repercutir bem na comunidade internacional”.

Os respresentantes franceses comemoraram o contrato de cerca de 800 milhões de Euros.

“Nós somos parceiro estratégicos do Egito há décadas”, comentou Pierre Lebon, Ministro da Defesa francês. “Estamos fornecendo as guilhotinas por um preço muito especial, uma vez que conseguimos um ótimo acordo com o povo egípcio”.

Segundo cláusulas do contrato de compra, após a decapitação dos principais líderes do atual governo local, as guilhotinas serão doadas de volta à França.

“Essas relíquias modernas serão instaladas na recém-criada ala Luís XVI do Museu do Louvre em Paris”, adianta Lebon.