Designer francês explica processo de criação do logo da Copa

Logo foi lançado oficialmente no dia 8 de junho, mas desde maio gera polêmica entre brasileiros

Mesmo antes de ter sido lançado oficialmente, o logo da Copa de 2014 já vinha provocando polêmica e comoção na população brasileira.

Com o lançamento da nova marca, as redes sociais apareceram como plataforma para os debates sobre a criação do designer francês Maurice Eiffel. Em comunidades do UOL K, usuários discutem se a inspiração é uma imagem de Chico Xavier ou uma analogia à expressão “passar a mão”, colocando em questão a honestidade do povo brasileiro.

Então, com o objetivo de defender sua obra, o artista europeu explicou um pouco do processo de concepção do logotipo. Afirmou não haver menção alguma a Chico Xavier no briefing, como tão pouco conhece o médium brasileiro. Segundo ele, o maior desafio em fazer o trabalho era “poder mostrar, em uma só imagem, toda a criatividade, ginga, espontaneidade, alegria e malemolência do povo brasileiro.”

Como elementos do logotipo, a FIFA exigiu apenas as cores da bandeira brasileira, a taça da Copa do Mundo e o talento de Eiffel. O processo de criação contou com a supervisão, experiência e aprovação de um grupo de notáveis personagens da cultura nacional. Raul Gil, Dilma Rousseff, Tiririca e Geyse Arruda passaram meses na França dando apoio ao artista.

“Optei por um retrato simplista da taça. Quando fui preencher com cores, tive uma certa dificuldade, sempre faltava algo. Eu tinha a impressão que o logo ficava apagado. Aí veio a Geise e disse ‘coloca um vermelhinho’. Frase iluminada! E o mais legal é a FIFA não ter percebido que a bandeira do Brasil não tem vermelho!”, completou o artista.