Congestionamento de pedestres atinge 113 km em São Paulo

Hordas de pedestres deixaram o tráfego bastante complicado na Marginal.

O Dia Mundial Sem Carro celebrado neste dia 22 de setembro promete ficar marcado pela confusão no trânsito em São Paulo.

A adesão pelos paulistanos foi acima da esperada e, mesmo sem carros, os motoristas se viram presos em habituais congestionamentos.

Segundo a CET, as vias mais entupidas da cidade durante a manhã de hoje foram a Marginal Pinheiros e avenida dos Bandeirantes.

A avenida 23 de Maio também apresenta trânsito de pedestres bastante complicado nos dois sentidos.

Muitas pessoas ficaram bastante irritadas com a situação e começaram a depredar o pavimento para protestar.

Alguns cidadãos também protestaram jogando lixo e entulho pelas ruas em que caminhavam, comprometendo ainda mais o fluxo de pedestres.

“O trânsito de São Paulo é uma loucura mesmo. Decidi deixar o carro em casa hoje, mas os problemas continuam. Olha só aquele rapaz andando pelo acostamento na cara de pau”, reclamou indignada Solange Alves, 33, analista de qualidade.

Para muitos pedestres, outro problema foram os corredores e praticantes de cooper. “Hoje estamos sem as motos para arrancar nossos retrovisores, mas já tomei um monte de trombada de apressadinhos suados”, afirmou João Vitor Nunes, 52, gerente comercial. “Prefiro passar os congestionamentos dentro do meu carro, com ar condicionado, cheirinho de gasolina e uma musiquinha”, completou.

Para agravar ainda mais a situação, o SFCBA, Sindicato dos Fabricantes das Cadeirinhas de Bebês para Automóveis, promoveu um protesto na avenida Paulista, criticando a data.

“Somos radicalmente contra essa ideia absurda desestimular o uso do carro. Os automóveis são veículos robustos e seguros”, comentou Abílio Frota, chefe do sindicato. “Preferimos ver uma mãe com um bebê bem acomodado dentro do carro do que correndo risco de torcer um pé nessas calçadas”, justificou.

Questionada sobre soluções para a cidade, a Prefeitura apenas informou que planeja para 2011 o Dia Mundial Sem Sair de Casa, como medida para resolver o problema.