Condenado pela Igreja, Harry Potter pode ir à fogueira

O jovem bruxo Potter entrou para a lista negra do Papa Bento XVI.

O Vaticano decidiu dar uma trégua os escândalos sexuais recentes e acusações de pedofilia na Igreja para dedicar-se a temas de maior apelo popular.

Na madrugada desta sexta-feira, enquanto o filme “Harry Potter e as Relíquias da Morte” fazia sua estreia nos cinemas de Roma, o Papa Bento XVI assinou uma bula que determinou a primeira sentença da Inquisição do Santo Ofício desde 1821.

Pelo documento papal, o britânico Harry James Potter passa a ser considerado herege por seus atos de bruxaria e pode ser condenado à morte caso não encerre imediatamente a prática da magia.

Harry Potter foi chamado de “bruxo extremista” e “ideólogo antirreligioso” pelo “L’Osservatore Romano”, o jornal oficial do Vaticano.

O jornal alimentou a polêmica, classificando os livros sobre Harry Potter como “manuais para os maus costumes”.

Com 30 anos de idade completados em julho, Potter teria um histórico de ofensas ao alto clero e às instituições religiosas.

Segundo o cardeal Nicolau Dangelico, o jovem mago inglês lida diariamente com símbolos do mal e deve ser exemplarmente punido por isso.

“Harry Potter é assumidamente um ofidioglota! Fala com cobras desde pequeno! Esse fedelho é a completa personificação bíblica do mal!”, exaltou o cardeal. “Como se não bastasse, Potter é um sujeitinho insolente e desrespeitoso. São incontáveis as vezes que ele se referiu à santidade do Papa como se fosse um trouxa. Até Jesus ele já chamou de sangue-ruim em uma entrevista! Ultrajante!”, completou estarrecido.

Os advogados da Seção de Mau Uso dos Artefatos dos Trouxas do Ministério da Magia serão responsáveis pela defesa de Harry Potter no caso.

Eles obtiveram um habeas corpus preventivo impedindo a Guarda Suíça do Vaticano de levar Potter ao penitenciária de Azkaban. Além disso, os advogados redigiram um pergaminho sinalizando um possível acordo entre as partes.

Pelo acordo, Potter abriria mão de 10 a 20% dos royalties sobre livros e filmes em favor do Vaticano, que em troca retiraria a ameaça de queimá-lo vivo.

“Se depender da Igreja, este acordo não ocorrerá”, comentou o cardeal Dangelico.

Dangelico disse ainda que o Vaticano tem planos maiores para a segurança da juventude mundial. Ele afirma que estão além dos ataques aos bruxos, estão sendo elaboradas estratégias para combater o vampirismo juvenil que surgiu no norte dos Estados Unidos e se espalha pelo planeta.

“Queimaremos milhares de bruxos, vampiros e preservativos no próximo ano. Quem viver, verá”, ameaça o religioso.