Cidade de São Paulo comemora fim definitivo da era de chuvas

O prefeito da Capital celebrou a ida da chuva, para nunca mais voltar.

Após anos e anos sofrendo com recordes de índices pluviométricos, finalmente nunca mais vai chover em São Paulo.

A afirmação é do biólogo, astrólogo e oceanógrafo Plúvio Massona, que descobriu na cidade de São Paulo o que ele chama de “epicentro geográfico da era lunar seca”.

A previsão, que surpreendeu muita gente, parece ter sido levada bastante a sério pela Prefeitura da capital.

“Após diversos estudos realizados em parceria com nossos órgãos técnicos, concluímos que a cidade viverá um longo período de bonança”, explica Esteban Di Moyo, técnico da Secretaria do Verde e Meio Ambiente.

“Serão 300 anos de plenitude climática, em que as chuvas serão moderadas, quase todas com a presença de arco-íris no final”, promete Di Moyo.

Com isso, as obras municipais de prevenção a enchentes e transbordamentos de córregos, como dragagem de rios e construção de piscinões, serão suspensas.

Este orçamento será redirecionado para investimentos viários. Já se prevê a construção de 17 novas pontes e 25 novos túneis médios e grandes que, segundo o prefeito, “finalmente resolverão o problema do trânsito na cidade”.

Kassab afirma ainda que antigas galerias de águas pluviais, agora secas, podem também se transformar em outros novos túneis para abrigar ainda mais carros na cidade.

“Se não resolver o trânsito e continuar tudo parado, tudo bem. Mas que ao menos o paulistano tenha a opção de curtir novos visuais de seu pára-brisa”, ilustrou Kassab.

Ele afirma que, no entanto, não pode dar garantias de um bom sinal de celular, TV e rádio dentro das galerias. “Esta é uma responsabilidade da iniciativa privada; cabe à Prefeitura prover as vias congestionadas, a liberação do insulfilm e o afrouxamento da fiscalização para que haja livre uso de celular e TV ao volante”, encerra o popular alcaide.