Brasil tem o Flanelinha mais caro do mundo, diz pesquisa

Os flanelinhas do Brasil estão no topo do ranking; alemães são os mais baratos.

O Brasil é o lugar mais caro do mundo para se contratar os serviços de um flanelinha. A informação vem de um estudo realizado pela Universidade Federal de Sucre, na Bolívia.

A instituição usou como parâmetro o serviço básico de guarda de carros e comparou flanelinhas mundiais e o poder de compra em 26 países.

“Serviço básico” é aquele em que os danos ao veículo são mínimos e a cobrança é feita com ameaças leves.

Dados da pesquisa revelaram um aumento de 17,5% nos preços praticados pelos flanelinhas brasileiros em 2010 em comparação ao período anterior.

Esse crescimento coloca o Brasil no primeiro lugar do ranking de guardadores de carro mais caros do mundo pela primeira vez em 15 anos.

O Estudo Geopolítico da Atuação dos Flanelinhas, também conhecido como EGAF, é realizado anualmente desde 1995 e, até 2010, tinha a Índia na liderança.

No Brasil, o custo médio do serviço é de R$ 5,34, que geralmente é arredondado para cincão. Entre os países com flanelinhas mais baratos estão Inglaterra e Alemanha, onde a atividade é gratuita.

Oscar Martinez, responsável pelo levantamento, credita o aumento do valor nos serviços às vitórias de candidaturas brasileiras a eventos esportivos importantes. Segundo ele, quando aumenta-se a demanda a esses serviços é natural um aumento de preços na mesma proporção.

“Veja bem, logo mais o Brasil vai ser sede da Copa, das Olimpíadas e do Fim do Mundo. Muita gente vai visitar o país. E, mesmo indo de avião, muitas pessoas gostam de alugar carro para não depender de taxistas locais”, explica o cientista político.

Outro fator é a elevação do custo do serviço de segurança. Em várias capitais brasileiras, o serviço de flanelinha já é feito por homens armados, o que encarece a operação.

A notícia foi comemorada pelo presidente do Sindicato dos Guardadores de Automóveis de São Paulo, José Silva. “Os gringo vem cheio de Dólar e Euro, que vale muito mais que Real. Vamo se dá bem!”, comemorou.

Iraque, Bolívia, Irã e a própria China garantem melhoras nos serviços e uma posição melhor no ranking de 2011.