Bono, do U2, faz campanha contra sites de ingressos na África

O líder do U2 luta para evitar que mais essa pandemia chegue à África.

Bono, líder da banda irlandesa U2, deu início nesta quarta-feira a uma campanha para arrecadar verba em prol das vítimas de sites de ingressos na África, durante o Fórum Mundial da Internet, em Zurique.

O Fundo Global para a Luta contra a Baixaria na Web é uma parceria com diversas empresas para tentar evitar que empresas aproveitadoras cheguem ao continente africano para explorar o mercado local de entretenimento

“Aqui estamos nós, fazendo o mínimo que podemos”, afirmou Bono. “Os sites de ingressos representam um problema global. A América Latina já foi contaminada por esse tipo de negócio, somente no Brasil, são milhares de vítimas. Estou aqui para evitar que isso chegue a mais um continente”, detalhou.

Segundo relatório do Banco Mundial, sites de ingressos representam mais de 45% das queixas de desrespeito ao direito do consumidor no mundo.

Procuradas pela reportagem do Diário de Barrelas, poucas empresas de vendas de ingresso manifestaram reações à campanha.

A empresa de entretenimento It’s All Magic! divulgou nota defendendo-se das acusações de falta de estrutura para vender ingressos pela internet.

“A culpa é do consumidor que não sabe apertar o botão F5 corretamente na hora de acessar nosso sites”, defende o diretor de marketing da empresa. “Enxergamos grande potencial de negócios no continente africano. Investiremos milhares de dólares para levar nossos sites de ingressos para lá”, complementou.

Para o líder do U2, existe o temor de que essas empresas de ingressos explorem economicamente os mercados na África.

“São sacanas. Ganham milhões e milhões de dólares em cima da paixão dos fãs pelos artistas”, disse Bono. “Vou lutar para evitar que esse mal chegue à África, para em seguida, lutar para erradicar essas empresas do planeta”.