Atletas corinthianos temem por segurança e time se refugiará no Egito

A alta cúpula do Timão acredita que os Egípcios são mais tranquilos que a Fiel Torcida.

Desde a derrota do Corinthians para o Deportivo Tolima, e com a precoce eliminação do time da Libertadores, a torcida do Timão não tem poupado esforços em mostrar todo o seu descontentamento: os muros do Parque São Jorge foram pixados, carros estacionados no CT de Itaquera foram danificados e muitos torcedores esperaram os jogadores no aeroporto de Viracopos, para tirar satisfações e cobrar a equipe.

Diante deste cenário, ficou decidido que o time passará algum dias em um lugar bastante distante e mais tranquilo que o CT corinthiano. O local escolhido foi a cidade de Cairo, no Egito, que está sendo assolada por protestos diários contra o ditator local.

Segundo o chefe do departamento de segurança do Timão, a medida foi decidida em caráter especial, visando a integridade física dos atletas. “Todos nós sabemos que aqui é Corinthians”, afirmou Eduardo Antunes, ex-major e integrante da Camisa 12, torcida organizada do clube.

“A gente já previa uma recepção hostil e violenta, mas jamais imaginamos que haveria tanta intenção de agressão física. A gente sabe que o Egito passa por um momento turbulento, mas hoje é um local muito mais seguro do que a Zona Leste”, completou Antunes.

Alguns atletas apoiaram a decisão. “Ouvi até dizer que o ditador mandou cortar a internet, é isso mesmo? Perfeito, é tudo o que nós precisamos para fugir das piadinhas”, vibrou Ronaldo.

Já Dentinho, quando perguntado se estava tranquilo por estar indo para um país que está quase entrando em Guerra Civil, não hesitou. “Meu amigo, Guerra Civil? Vai lá pra quadra da Gaviões da Fiel em dia de derrota pra você saber o que é guerra civil”

O Timão deve embarcar ainda nessa noite rumo ao Cairo, e tem o retorno previsto para apenas em 15 dias.